fbpx

Cringe! Tipos de geração: o que são e como lidar com elas?

Saber como cada tipo de geração se comporta também no mercado de trabalho pode ser um diferencial para o cargo de liderança! Confira por aqui as definições de cada um desses tipos e aprenda a lidar com eles.
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

FIQUE POR DENTRO DAS NOSSAS NOVIDADES

Você já parou para pensar de qual geração são os seus colaboradores? Aliás, você sabia que cada uma delas possui determinadas características e comportamentos próprios? Além disso, saber mais sobre isso auxilia no mapeamento comportamental de seus colaboradores, facilita a gestão de funções e potencializa os resultados.

Michael Dimock, presidente do instituto de pesquisa Pew Research Center, afirma que os grupos geracionais permitem que os profissionais usem informações e melhore as estratégias na criação de marcas e produtos e também na gestão de pessoas.

“Os tipos de geração podem fornecer uma maneira de entender como diferentes experiências formativas (como eventos mundiais e mudanças tecnológicas, econômicas e sociais) interagem com o ciclo da vida.”

(Michael Dimock)

Assim, esta classificação é bastante útil para entender um pouco mais sobre o comportamento de seus colaboradores. Desta forma, saberá qual a melhor maneira de agir em cada contexto.

Por isso, neste artigo, iremos saber quais são os tipos de geração e as características desses grupos. Assim, você poderá perceber como isso irá aperfeiçoar suas técnicas de liderança. Então, vamos lá?

O que são tipos de geração?

Dividir a população em gerações conforme a década de nascimento é um conceito que surgiu com a Sociologia. Mas, o que é a Sociologia?

Basicamente, a Sociologia é a ciência que estuda a sociedade com o auxílio de outros fatores como a economia, a ciência política, a antropologia e  psicologia. A Sociologia busca compreender, de maneira científica, como os agrupamentos sociais humanos se desenvolvem e como é possível interferir nesse desenvolvimento.

Desta forma, surgiu em 1963, a divisão da população em 4 tipos de geração, até então: A geração dos Baby Boomers, a Geração X, a Geração Y e a Geração Z.

Em resumo, a lógica por trás de cada grupo é que cada um deles nasceu em determinada época em que houve um contexto específico que impactou de um jeito diferente na economia, nos valores culturais e nas relações interpessoais, fazendo com que aquele grupo se desenvolvesse daquela forma e não de outra.

Cada geração tem seus próprios hábitos e valores

Vejamos a seguir as características de cada geração:

Baby Boomers

Conhecida também por “Explosão de bebês”, isso por essa geração ser fruto de uma explosão populacional ocorrida logo após o fim da Segunda Guerra Mundial, quando os homens que estavam em guerra puderam voltar para suas casas e construir uma família. Neste caso, as pessoas que pertencem a esse grupo possuem mais de 55 anos.

Acima de tudo, as pessoas desta geração gostam muito do tradicionalismo. São aquelas pessoas que costumam pedir bênção aos pais, são extremamente rigorosos e usam da disciplina e da rigidez.

No mercado de trabalho, essas pessoas geralmente ocupam hoje o cargo de diretoria, de chefia ou de gerência e costumam estar bastante preocupadas com o dever. Elas são extremamente disciplinadas e querem que as pessoas ao redor façam as tarefas do mesmo jeito que elas fazem.

Geralmente essas pessoas permanecem por anos no mesmo emprego, pois valorizam muito o trabalho e tinham uma forte preocupação em construir uma carreira profissional estável. Assim, valorizam mais a experiência que a criatividade e inovação.

Geração X

Neste grupo encontram-se os nascidos entre a década de 60 e 70, formada pelas pessoas que cresceram no período da Guerra Fria. Foi a primeira geração a experimentar os avanços tecnológicos.

Em resumo, as pessoas desta geração gostam de empreendedorismo, de método e de gráficos. Viveram em uma época na qual, no Brasil, ocorreu uma grande alta na inflação, um contexto marcado por preços de mercadorias frequentemente variáveis, logo, essas pessoas tinham receio de perder seus empregos e de não ter sequer alimentos para se manterem – e por isso permaneciam neles.

No campo profissional, essa geração não costuma ousar, mas valoriza bastante a busca pela ascensão de cargos na empresa e se orgulham do cargo conquistado.  Além disso, seus integrantes possuem um perfil mais conservador e, muitas vezes, conseguem cargos com maiores responsabilidades.

Além disso, segundo pesquisa da Fiesp, 38% das startups brasileiras pertencem a pessoas desta geração. Viu só como levam a sério quando o assunto é empreendedorismo?

Geração Y

Também chamados de Millennials, porque esses indivíduos cresceram na virada do milênio, aqui encontram-se os nascidos na década de 70 e 90.

Neste caso, esta geração já cresceu com a internet e a tecnologia e gosta de desafios, do poder, da liberdade e da criação. Hoje, esta geração ocupa grande parte do mercado de trabalho.

Diferentemente das outras gerações, a geração Y é mais exigente em relação às funções que desempenha no mercado de trabalho e tem menos receio de largar um emprego para fazer outra coisa que lhe dê mais satisfação e prazer.

Desta forma, eles são menos preocupados com a hierarquia no ambiente de trabalho, preferem o trabalho em equipe e estão em busca constante por inovação.

Além disso, a geração Y prefere receber instruções pontuais e claras sobre suas funções e gostam de receber feedback frequentes, porém também gostam de tomar suas próprias decisões.

“A geração Y é aquela que nasceu na era digital, utilizando a internet e ferramentas como as redes sociais. É importante que as empresas conheçam a cultura dessa nova geração que nasceu na era digital. Hoje, essas pessoas são adultos que estão trabalhando no mercado de trabalho, são novos cidadãos e novos consumidores. Caso contrário, haverá choques.”

(Don Tapscott)

Geração Z

A mais jovem geração no mercado de trabalho contempla os nascidos na década de 90 até 2000, conhecida também como “geração silenciosa”, pois está sempre no smartphone ouvindo música por isso não conversam muito uns com os outros.

Afinal, essa geração nasceu usando a internet e não passaram nem um ano sequer sem ela, sendo expostos desde cedo à redes sociais.

Essa geração é formada por jovens com menos de 23 anos, então a maioria ainda está entrando no mercado de trabalho e apesar de não terem ainda uma identidade bem clara, sabemos que eles gostam de fazer várias coisas em simultâneo, por isso, sofrem estímulo constantemente do seu ambiente de trabalho.

Chamados também de os “Centennials” costumam ser multitarefas e independentes. Acredita-se que os cargos que essa geração irá ocupar ainda nem foram criados.

Essa geração é marcada pelo imediatismo, pois querem tudo para ontem e apresenta dificuldade em socializar fora do ambiente virtual. Em resumo, pode-se dizer que não passarão muito tempo desempenhando uma mesma função ou trabalhando em uma mesma empresa.

Como lidar com as diferentes gerações no mercado de trabalho?

Mas quando essas gerações se juntam no mercado de trabalho? Aí pode ser que dê um nó nas relações, não é? Bem, imaginemos a seguinte situação.

Às vezes você é da geração Z e tem um chefe Baby Boomer. O Baby Boomer é aquela pessoa que faz uma coisa de cada vez enquanto a Geração Z faz várias coisas ao mesmo tempo. Pode parecer, para o Baby Boomer, que a Geração Z não esteja produzindo suficiente, mas na verdade está.

Por isso é importante ter esse senso na liderança de perceber que cada geração se comporta de uma forma diferente e saber lidar melhor com elas.

Então, o melhor a se fazer é deixar as regras do ambiente de trabalho bem claro. Se você trabalha em uma empresa tradicional e tem colaboradores da geração Y e Z deixe bem claro a forma que a empresa funciona.

Como saber se estou sendo claro?

Bem, em outras palavras, para se assegrar que foi entendido, diga com todas as letras que em sua empresa não é permitido, por exemplo, o uso de redes sociais ou ouvir música no ambiente de trabalho. Já se a sua empresa tem um caráter mais moderno, então deixar o seu colaborador Y ou Z que consegue produzir com música dirigir seu próprio território pode ser uma boa alternativa, não é?

Portanto, dentro deste cenário da convivência de diferentes gerações, o líder precisa ter o senso de diferenciar o comportamento desses grupos para compreender que as pessoas agem e trabalham de formas diferentes, afinal, o que importa é a produtividade e o respeito entre as pessoas.

Ficou claro quais as principais características das gerações? Percebeu como é importante conhecê-las e saber porque elas se comportam dessa maneira?

Mas calma, se ainda assim você ficou com dúvida nesse assunto ou precisa de mais explicações para te auxiliar com a gestão de seus colaboradores, saiba que ConQuist é especialista em gestão de pessoas, colaboradores e clientes. Com certeza, temos uma consultoria ou curso que atende suas expectativas. Entre em contato conosco que podemos te ajudar!

Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp