fbpx

Conheça mais sobre as técnicas da Liderança Situacional

Você sabe o que é Liderança Situacional e porque ela vem sendo tão abordada nos tempos de crise empresarial? Veja quais são as técnicas deste tipo de liderança e as formas de colocá-las em prática agora mesmo!
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

FIQUE POR DENTRO DAS NOSSAS NOVIDADES

A crise da pandemia é um dos assuntos que vem sendo abordado constantemente nas empresas. Segundo os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a COVID-19 afetou negativamente as atividades de  mais de 50% das empresas existentes no Brasil.

Por isso, muito se discute a respeito das possibilidades e estratégias que auxiliam a empresa a se manter consistente, mesmo diante deste cenário do mercado.

Quando refletimos sobre o mercado atual, percebemos que nem sempre nos deparamos com uma equipe que cumpre as tarefas como queríamos, não é mesmo? Assim, ao refletir sobre isso, nos deparamos com este cenário:

  • As situações mudam frequentemente na empresa;
  • Nem sempre o líder possui um quadro de colaboradores que esteja preparado para fazer todas as tarefas cabíveis.
  • Em várias ocasiões, apoiar o colaborador significa sucesso na tarefa;
  • Por outro lado, apoiar no momento errado ou apoiar demais pode acabar causando dependência do colaborador.

A princípio, sabemos que o papel do líder é fundamental para manter a produtividade e o engajamento das equipes, além de alcançar  resultados satisfatórios. E a Liderança Situacional é um tipo de liderança que vem sendo destaque nesses tempos.

Por isso, neste artigo, você irá saber um pouco mais sobre a Liderança Situacional, quais os grupos pré-estabelecidos de colaboradores de acordo com esta teoria e como o líder deve agir em cada caso. Vamos lá?

Liderança Situacional: o que é?

A Liderança Situacional surgiu na década de 70 com Kenneth Blanchard e consiste em uma liderança moldada conforme as situações apresentadas. Ou seja, o líder deve se adequar a cada momento e conduzir seus colaboradores de forma efetiva para alcançarem os melhores resultados possíveis, segundo o contexto encontrado.

Desta forma, o líder precisa utilizar de formas diferentes de liderar, adaptando-se conforme o perfil de cada profissional e observando aspectos como condições técnicas e de inteligência emocional.

Um  líder precisa utilizar formas diferentes de liderar

Para isso, Kenneth Blanchard criou 4 níveis de colaboradores divididos em: D1, D2, D3 e D4. A seguir, veremos as características de cada um deles e como o líder deve se comportar em cada caso.

Como os colaboradores se comportam na Liderança Situacional

Um líder situacional deve conseguir avaliar os diversos aspectos aliados ao contexto, tais como as forças, as fraquezas, a inteligência emocional e os fatores de competitividade e condições técnicas.

Afinal, nesta teoria, não existe um tipo de liderança melhor, mas sim, aquela que se adapta melhor ao contexto das situações apresentadas no momento e das pessoas que fazem parte deste contexto.

Desta forma, para auxiliar na liderança, veremos os grupos dos colaboradores de acordo com suas características.

Tipo de colaborador: grupo D1

Os colaboradores deste grupo possuem um alto comprometimento, porém uma baixa competência. Em outras palavras, é aquele colaborador que acabou de entrar na empresa, passou pelo recrutamento e está feliz e motivado para começar, mas possui uma baixa competência em seu cargo causada pela falta de experiência.

Tipo de colaborador: grupo D2

O colaborador deste grupo é chamado “aprendiz decepcionado”. Eles possuem alguma competência, mas o comprometimento é baixo. Em resumo, é aquele tipo de colaborador que acaba desmotivando a equipe. Ou seja, é um colaborador frustrado e que pode contaminar o colaborador do grupo D1, pois, em alguns momentos, está de bom humor e em outros está com péssimo humor.

Tipo de colaborador: grupo D3

Neste grupo, encontra-se o colaborador que é bem capacitado, mas é inseguro. Ele nunca tem certeza se vai dar conta do trabalho. Ele é bom em seu cargo, bom no que faz, mas precisa sempre da aprovação de outros. Por isso, ele é considerado bastante dependente do líder, perguntando sempre sua opinião.

 Tipo de colaborador: grupo D4

Neste grupo, encontra-se o colaborador que é autoconfiante, que possui um comprometimento e competência alta. Gosta muito de desafios e pode se tornar um líder, no futuro. Se precisar de um substituto, ele pode ser essa pessoa.

Como o líder deve se comportar na Liderança Situacional

Agora, para aprimorar sua liderança, veremos algumas sugestões de como o líder deve se comportar na liderança situacional, conforme os grupos divididos como vimos anteriormente, certo?

Comportamento do líder: grupo D1

Neste grupo lembramos então que temos colaboradores com competência baixa, entretanto com alta motivação. Por isso, é importante que o líder aja direcionando seu trabalho, mostrando o que ele deve fazer, como fazê-lo e também é importante que não o sobrecarregue com decisões mais complexas.

Neste caso, o líder deve:

  • Ensinar todas as etapas de suas tarefas;
  • Fazer junto ou especificar como deve ser feitas as tarefas;
  • Indicar o padrão de desempenho de excelência;
  • Elaborar um plano detalhado para o desenvolvimento da competência;
  • Acompanhar de perto o trabalho;
  • Tomar todas as decisões por ele.

Comportamento do líder: grupo D2

Neste grupo, encontramos o aprendiz decepcionado, algo que aconteceu ao longo de sua jornada profissional que o tornou bastante desmotivado. Desta forma, esse colaborador possui lampejos de frustrações e apresenta, ora relatórios ótimos, ora relatórios extremamente ruins.

Neste caso, o líder deve ser muito taxativo, conversar de perto com o colaborador e mostrando onde ele pode chegar.

Portanto, o líder deve:

  • Acompanhar de perto o desenvolvimento do trabalho;
  • Conversas frequentes com o colaborador;
  • Elogiar, de modo a recuperar sua autoconfiança;
  • Encorajar a tomar iniciativa;
  • Aumentar sua autoconfiança;
  • Ouvir suas perguntas e desabafos;
  • Dar conselhos;
  • Pedir sugestões.

           

Comportamento do líder: grupo D3

Por fim, neste grupo, está o colaborador com bastante capacidade, mas cauteloso e inseguro. Ele sabe todo o processo da empresa, é comprometido em suas tarefas, mas é bastante inseguro. Atente-se para que você não esteja sendo um líder centralizador e para que estimule a autoconfiança do colaborador.

Nesse sentido, o líder precisa:

  • Fortalecer sua autoconfiança que é oscilante;
  • Escutar suas preocupações e sugestões;
  • Liberar o fluxo de feedback entre as partes;
  • Incentivar as interações;
  • Fazer perguntas que estimulem a reflexão;
  • Encorajá-lo a assumir riscos;
  • Dividir as decisões.

Comportamento do líder: grupo D4

Os colaboradores deste grupo são autoconfiantes, antecipam os problemas e gostam dos desafios. Eles são excelentes para serem sucessores na liderança. Desta forma, é fundamental que sua autoconfiança seja estimulada, entre outras ações, tais como:

  • Dê autonomia para decisões e soluções;
  • Demonstre confiança na sua independência;
  • Deixe-o gerir seu próprio território;
  • Reconheça seu alto desempenho;
  • Desafie-o a alcançar resultados ainda mais elevados.

O Gerente-Minuto

Toda a teoria da Liderança Situacional teve como base o livro “Gerente-Minuto”, de Kenneth Blanchard. O livro revolucionou o conceito de liderança e visa tornar a prática administrativa do líder cada vez mais simples e eficaz.

Basicamente, o conceito do “Gerente-minuto” foca na estratégia de que devemos constantemente tirar um minuto de nossa liderança e olhar para nossos colaboradores.

“O símbolo do Gerente-Minuto é para lembrarmos de reservar um minuto do nosso dia para examinarmos a fisionomia das pessoas a nós subordinadas. E também para nos fazer compreender que elas são nossos recursos mais importantes” (Kenneth Blanchard)

Agora você compreendeu porque a Liderança Situacional vem sendo tão abordada ultimamente, não é? Além disso, viu exemplos práticos de aplicação dessa técnica de liderança que já é tendência. Mas, se mesmo assim ficou com dúvidas a respeito, lembre-se que a ConQuist é especializada em treinamentos e mentorias para líderes. Entre em contato e saiba mais sobre o que podemos fazer por você!

Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp